quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Chistine Collins


Hoje, assistindo ao filme A troca, deparei-me com uma mulher extremamente corajosa e esperançosa. Uma mulher que não desistiu, mesmo quando todos duvidavam dela e de sua insanidade. Uma mulher que não abriu mão da esperança de ter seu filho novamente ao seu lado.


Christine Collins foi uma estaduniense batalhadora: criava seu filho Walter, de 9 anos, sozinha, trabalhava e era extremamente competente. Mas esta mulher, viu seu mundo virar de cabeça para baixo quando, no dia 10 de Março de 1928, seu filho desapareceu.


Foi a partir desse dia que a cidade de Los Angeles e todo o mundo conheciam uma mulher inspiradora e uma heróina, para muitas outras mulheres.


A polícia de LA achou uma criança que tinha as mesmas características do filho "perdido" de Christine, mas aquela criança não era seu filho. Ela tentou provar através dos médicos, professores e provas físicas que, aquele menino apresentado pela polícia, não era o filho da Sra. Collins. E o departamento de polícia não acreditou nela.

Pela insistência no caso e na tentativa de devolver a criança trocada, Christine foi levada à uma Ala Psiquiátrica. Paralelo a isso, foi descoberto uma série de homícios contra crianças, em um rancho em Wineville, onde o filho desta heróina foi, supostamente uma das vítimas.

Após essa descoberta, Christine tramou uma "guerra" contra a polícia e abriu uma ação judicial contra a injustiça sobre ela feita. O caso ficou na história de LA e sua história, tomada como referência de amor e esperança por muitas mães.

O acusado foi preso e enforcado em 1930.

O aparecimento de um menino, 7 anos depois do desaparecimento do seu filho, que teria fugido do rancho onde os assassinatos ocorriam, trouxe a nossa heróina a esperança de que seu filho pudesse estar entre os três meninos que fugiram.


Ela nunca desistiu de procurar o seu filho. E é por toda essa garra e coragem que eu considero Christine Collins como uma das mulheres mais surpreendentes que já existiram. E dedico à Angelina Jolie, meus cumprimentos pelo papel exelentíssimo por ela desempenhado no filme A troca.

Para conhecer a fundo a história de Christine Collins e o caso dos assassinatos brutais, clique aqui.

3 comentários:

  1. Estou com esse filme em casa, mais ainda não tive tempo de ver. Fiquei com mais vontade depois do seu post.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Parabes!
    Mas o que aconteceu depois com a Sra. Collins?
    Não consigo achar nada sobre o fim de sua vida.
    Caso alguem tenha alguma coisa é importante
    para mim. E-mail: eujoliemilgrau@hotmail.com
    Obrigada desde já.

    ResponderExcluir
  3. Como a leitora acima, fiquei muito curiosa com o final de toda a estória.
    O menino apareceu depois?
    A senhora Collins continuou sem saber do paradeiro do filho?
    O que a Polícia local fez para reparar o erro?
    E o médico que a atendeu num manicômio, alguma punição?

    Angelina Jolie estava bárbara na atuação.
    Também vi o filme e queria muito ter conseguido gravá-lo.

    ResponderExcluir

" Liberdade é pouco! O que eu quero ainda não tem nome "
Clarice Lispector