quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Biografia: Coco Chanel

" O conforto possui formas. O amor cores. Uma saia é feita para se cruzar as pernas e uma manga para se cruzar os braços. "
Essa frase foi dita por um dos maiores ícones da Moda mundial: Gabrielle Bonheur Chanel, mais conhecida como Coco Chanel.




Após a morte precoce de sua mãe com sintomas de tuberculose, Coco e suas irmãs foram estudar em um colégio interno e seus irmãos, trabalhar numa quinta.

Em 1903, com vinte anos, Gabrielle saiu do colégio e tentou procurar emprego na área do comércio e da dança (como bailarina) e também fez tentativas no teatro, onde raramente teve grandes papéis devido à sua estatura.

Por volta de 1910, na capital parisiense, Coco conheçeu o grande amor da sua vida: um milionário inglês Arthur Boyle. Boyle ajudou-a a abrir a sua primeira loja de chapéus. A loja Chanel iria tornar-se num sucesso e apareceria nas revistas de moda mais famosas de Paris. Com este relacionamento, Chanel aprendeu a frequentar o meio sofisticado da Cidade Luz.
Algum tempo depois, Boyle acabou a relação com Gabrielle para se casar com uma inglesa e meses mais tarde morreu num desastre de carro.

Com este desgosto, Chanel abriu a primeira casa de costura, comercializando também chapéus. Nessa mesma casa, começou a vender roupas desportivas para ir à praia e para montar a cavalo. Pioneira, também inventou as primeiras calças femininas.



No início dos anos 20, Chanel conheceu e apaixonou-se por um príncipe russo pobre, Dmitri Pavlovich, que tinha fugido com a sua família da Rússia, então União Soviética. A sua relação com Paulovitch a fez desenhar roupas com bordados do folclore russo e, para isso, contratou 20 bordadeiras. Neste período, Chanel conheceu muitos artistas importantes, tais como Pablo Picasso, Luchino Visconti e Greta Garbo.

"Eu não entendo como uma mulher pode sair de casa sem se arrumar um pouco - mesmo que por delicadeza. Depois, nunca se sabe, talvez seja o dia em que ela tem um encontro com o destino. E é melhor estar tão bonita quanto for possível para o destino."
Sua roupas vestiram as grandes atrizes de Hollywood, e seu estilo ditava moda em todo o mundo. Além de confecções próprias, desenvolveu perfumes com sua marca. Os seus tailleurs são referência até hoje.

Em 1921, criou o perfume que a iria converter numa grande celebridade por todo mundo, o nº5. O nome referia-se ao seu algarismo da sorte. Depois deste perfume, veio o nº17, mas este não teve o mesmo êxito que o nº5.



Durante a Segunda Guerra Mundial, Coco relacionou-se com um oficial alemão. Com o fim desta, os franceses conceituaram este romance mal e deixaram de frequentar a sua casa. Nesta década, Chanel teve portanto dificuldades financeiros. Para manter a casa aberta, começou a vender suas roupas para o outro lado do Atlântico, passando a residir na Suíça.

Devido à morte do ex-presidente norte-americano John Kennedy e à admiração da ex-primeira-dama Jackie Kennedy por Chanel, ela começou a aparecer nas revistas de moda com a criação dos seus tailleurs (casacos, fato e sapatos). Depois voltou a residir na França.


Faleceu no Hôtel Ritz Paris em 1971, onde viveu por anos. O seu funeral foi assistido por centenas de pessoas que levaram as suas roupas em sinal de homenagem.


A estilista, inteiramente independente, é referência não só como estilista, mas como mulher. Coco deixou sua marca no mundo e revolucionou a moda internacional. Hoje, 38 anos após sua morte, ela ainda é lembrada por ter sido um dos mais importantes ícones da mudança dos conceitos, estilos e valorização feminina no século XX. Parabéns, Coco. Você realmente deixou sua marca no mundo!

" Vista-se mal e notarão o vestido. Vista-se bem e notarão a mulher. "
Fontes de Pesquisa: Google Imagens e Wikipédia

3 comentários:

  1. Depois do relacionamento com o alemão, Chanel foi presa. Na época, por causa da guerra, as mulheres ligada aos alemães era levadas a praça nuas, como castigo. Mas como Chanel era famosa, foi abafado e ela não precisou passar por essa vergonha.
    Adorei o post!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, quase gêmea!
    Ainda faço um post sobre o Christian Dior para você, hehe.
    Beijos

    ResponderExcluir

" Liberdade é pouco! O que eu quero ainda não tem nome "
Clarice Lispector